O que é adicção e um pouco sobre clínicas de reabilitação em São Paulo

 

Adicção é um termo para se definir o vício, e geralmente está relacionado com drogas , tanto as lícitas ( àlccol e nicotina, bem como medicamentos diversos ) e ilícitas , como cocaína ,maconha, anfetaminas , calmantes , lsd , ecstasy , metanfetaminas , crack e outras. No entanto a adicção pode também significar qualquer dependência psicológica ou compulsão tipo jogo (bingo, pôquer, etc), comida, sexo, pornografia, computadores, internet, vídeo games, notícias, exercício, trabalho, TV, compras e etc. Para separar a adicção de modo geral e aquela que o foco principal seja a das drogas , vamos chamá-la de drogadicção .

Confira também:

5 Dúvidas sobre clínicas de reabilitação SP

Clínica de reabilitação em Bragança Paulista SP

CLÍNICAS DE REABILITAÇÃO SP OPÇÕES

Uma pessoa que é dependente química (dogadicta) não consegue controlar seu desejo por álcool ou drogas, mesmo percebendo os inúmeros  efeitos negativos pra saúde, problemas com família e amigos, ou problemas com a polícia. O uso de drogas, principalmente as ilícitas faz com que o drogadicto se envolva no submundo do tráfico , este ligado diretamente com o crime organizado. Um usuário pode se envolver tanto direta quanto indiretamente ao crime , e na falta de recursos para compra da droga pode começar a furtar , roubar , ou mesmo se envolver no tráfico diretamente , o que cada dia se torna mais comum. Essas situações são normalmente relatadas em internos de clínica de reabitação em São Paulo , onde temos inúmeros contatos .

 

O uso de drogas, principalmente as ilícitas faz com que o drogadicto se envolva no submundo do tráfico , este ligado diretamente com o crime organizado. Um usuário pode se envolver tanto direta quanto indiretamente ao crime , e na falta de recursos para compra da droga pode começar a furtar , roubar , ou mesmo se envolver no tráfico diretamente , o que cada dia se torna mais comum. Essas situações são normalmente relatadas em internos de clínica de reabitação em São Paulo , onde temos inúmeros contatos .

 

A adicção as drogas e as clínicas de reabilitação SP

é considerada uma doença como outra qualquer ,é classificada como transtorno psicológico e mental pela OMS ( organização mundial da saúde ) e deve ser tratada como problema de saúde e social , tendo o Estado responsabilidade no controle e tratamento adequados ao dependente químico. É uma doença crônica, ou seja, afeta a pessoa por longo prazo, é recidiva ( recaídas ). Isso  acontece pois a pessoa procura uma recompensa ou um alívio em sua vida , onde há necessidade de um “remédio” , pelo uso das substâncias químicas que proporcionam tal conforto.

A adicção é caracterizada pela dificuldade em controlar o comportamento, presença de fissura ou desejos, dificuldade de ficar sem a droga (abstinência), e falta de noção dos problemas causados pela droga. O dependente químico perde a noção de uma vida normal quando está ativo , no uso das drogas.

Isso gera um sem número de problemas e uma vida social normalmente conturbada , chegando ao ponto de procurar uma clínica de reabilitação em SP , o que acontece com grande parte deles. Chega um ponto que sentem que sua vida está desabando , e é necessária a busca de ajuda especializada . Muitas das clínicas de recuperação em São Paulo oferecem esse apoio através de terapêutica e assistência médica e psicológica .

O cérebro de um viciado fica modificado pela droga de tal forma que a ausência da mesma causa um sinal ao cérebro que é semelhante ao sinal de quando se está com fome. É como se a pessoa estivesse num estado de necessidade, e usar a droga seria indispensável para a sobrevivência. O nome dado a esse fenômeno é síndrome da abstinência , ou fissura .

Como em outras doenças crônicas a drogadicção pode acontecer em ciclos, com controle e recaídas. Sem tratamento ou sem compromisso em atividades de recuperação, a adicção é progressiva e pode resultar em invalidez ou morte. No auxilo a estes casos foram abertas várias clínicas de recuperação em São Paulo e outros estados para dar suporte no tratamento e desintoxicação de dependentes químicos em geral . tratando tanto das drogas ilícitas como do alcoolismo e algumas, inclusive , do tabaco.

 

O dependente químico

perde a noção de uma vida normal quando está ativo , no uso das drogas . Isso gera um sem número de problemas e uma vida social normalmente conturbada , chegando ao ponto de procurar uma clínica de reabilitação em SP , o que acontece com grande parte deles. Chega um ponto que sentem que sua vida está desabando , e é necessária a busca de ajuda especilizada . Muitas das clínicas de recuperação em São Paulo oferecem esse apoio através de terapêutica e assistência médica e psicológica

 

Se não for tratada, com o tempo doença pode se tornar mais forte, mais difícil de se tratar, e os problemas de saúde ficam piores, como problemas mentais e doenças nos órgãos. Isto se deve à cronificação da doença , ou depedede a cada da maior quantidade de droga a ser utilizada, bem como a diminuição dos espaços entre o uso.

 

Os sintomas da adicção incluem tolerância, ou seja, o desenvolvimento de resistência aos efeitos da droga com o tempo. Acontece também a fissura, que é um estado físico desagradável quando a pessoa não está usando é a síndrome da abstinência que traz desconforto e  mal estar na ausência da dose da droga em uso para entender o comportamento através do metabolismo precisamos entender que ele funciona de um modo normal , quando temos uma alimentação normal e ele funciona equilibrando as funções químicas do corpo.

Quando uma droga é utilizada essa química é alterada de maneira significativa, de modo a alterar tos estrutura química presente em nosso organismo. Fora isso ainda temos efeitos cerebrais e emocionais modificados, tornando nosso corpo , literalmente , uma “bagunça”. Esta é a hora de procurar ajuda em uma clínica de recuperação em São Paulo e outros estado do país onde existem várias dando bom atendimento , e com bons trabalhos terapêuticos e desintoxicantes .

 

À medida que a doença se agrava, o adicto precisa de uma maior quantidade da substância, seja ela álcool ou droga. Ele passa a usar com mais freqüência, e se vê usando em situações em que eles nunca imaginaria antes. Isso influencia no organismo , agravando os sintomas corporais e alterando profundamente o metabolismo no qual a droga passa a ter uma função no seu equilíbrio.

Veja também:

5 MANEIRAS QUE O A ATIVIDADE FÍSICA PODE AJUDAR A SUPERAR O VÍCIO NA RECUPERAÇÃO / REABILITAÇÃO

As pessoas geralmente experimentam drogas ou outros comportamentos potencialmente viciantes porque eles estão buscando algum tipo de benefício ou recompensa. Elas usam drogas na esperança de conseguir os efeitos físicos desejados. As drogas têm um efeito no corpo e na mente, e se não tivesse efeito as pessoas não repetiriam e experiência. Ninguém começa  para ficar viciado o vício vem da repetição e da frequência do uso , bem coo das quantidades utilizadas.

 

A drogas

Geralmente causam alterações muito significativas no usuário normalmente o fazem ,se sentir melhor  causando relaxamento , bem estar , excitação levando-a a um estado que a faz desprender-se da realidade , e fazendo com que o dependente químico se sinta superior aos demais. Por isso, ela tende a repetir a dose , daí advém o vício de fato .

Às vezes a pessoa usa a droga para escapar de problemas reais, e como a droga a faz se sentir bem, ela encara a droga como a solução dos problemas , embora os problemas e traumas permaneçam o bem estar momentâneo os escondem.

Algumas vezes a atração vêm porque a droga faz a pessoa se identificar com algum grupo social , a turma diferente , pensam que vão ganhar aceitação numa turma ou que vão se tornar os rebeldes ou os diferentes através dela.

O ato real é que  estas experiências encobrem uma atração forte pelos efeitos proporcionados pelas drogas , e o que começou como uma brincadeira casual, comportamento social normal ou mesmo uma prescrição médica, pode se tornar um comportamento repetitivo, mais freqüente e com maiores quantidades , ou seja, o ser até então “normal” passou a sr um dependente químico , necessitando da droga para poder estar “em igual” com os demais, até se desligar de sua rotina , da família , e dos amigos antigos que já não o aceitam mais no grupo de origem

 

Muitos podem  se viciar através do condicionamento. Muitas pessoas que usam drogas passam a pensar que não conseguem fazer alguma coisa sem a droga, por exemplo ir a uma festa, um encontro com a turma , assistir TV ou ouvir música. Com isso a química do cérebro começa a se adaptar à presença da substância, necessitando cada vez mais para dar o mesmo barato ou para evitar os desconfortos da falta da droga. Este comportamento passa a ter vida própria e o corpo fica dependente fisicamente da droga. Esse é o efeito no metabolismo, alterando de maneira agressiva todo o processo químico do corpo e do cérebro .

Geralmente, na iniciação , ou seja, no primeiro contato com a droga, a pessoa usa para experimentar, pra ver como é a substância e testar seus efeitos no corpo e no cérebro. Aí pode resolver usar outra vez, e talvez começar a usar ocasionalmente, e depois usar freqüentemente, aumentando também as doses que passam a ser insuficientes , exigindo sempre mais , outra característica importante do processo da drogadicção.

 

Muitos podem  se viciar através do condicionamento. Muitas pessoas que usam drogas passam a pensar que não conseguem fazer alguma coisa sem a droga, por exemplo ir a uma festa, um encontro com a turma , assistir TV ou ouvir música. Com isso a química do cérebro começa a se adaptar à presença da substância, necessitando cada vez mais para dar o mesmo barato ou para evitar os desconfortos da falta da droga. Este comportamento passa a ter vida própria e o corpo fica dependente fisicamente da droga. Esse é o efeito no metabolismo, alterando de maneira agressiva todo o processo químico do corpo e do cérebro .

Confira este artigo também:

17 Passos Para Lidar Com Um Dependente Químico Ou Alcoólatra Na Família

Confira:

13 OPÇÕES DE CLÍNICAS DE REABILITAÇÃO SP DROGAS

 

O CICLO DAS DROGAS 

Clínica de reabilitação em São Paulo você encontra na Bella clinic!

 

Uma pessoa usa drogas ilícita , como maconha, cocaína ou mesmo álcool, ativando os mesmos circuitos cerebrais das atividades de sobrevivência, como comer ou fazer sexo. A droga causa um aumento da quantidade da  dopamina uma droga responsável pelo prazer físico e psicológico , a qual produz os sentimentos de prazer e bem estar geral. O cérebro se lembra deste prazer e quer que ele repita. Está então aberta a porta para a dependência química.

Assim como comida está ligada com a sobrevivência no dia-a-dia, as drogas começam a ter o mesmo significado para o adicto. A necessidade de obter e usar drogas começa a ser mais importante do que qualquer outra necessidade, incluindo atividades realmente vitais tipo comer. O adicto passa a procurar a droga não apenas para prazer, mas para aliviar o sofrimento , livrá-lo de uma dor escondida, ligada ao cérebro  e às suas emoções mais profundas .

A rotina é trocada pelo impulso de compra e uso das drogas , o  é tudo que importa a ele naquele momento, apesar das conseqüências devastadoras.

Finalmente, o controle, as escolhas e tudo o que antes tinha valor na vida da pessoa, como família, emprego, comunidade, estudos , pode estar perdido para a doença da dependência química. Muitos internos de clínica de reabilitação em São Paulo fornecem essas mesmas informações quando em conversa com terapeutas e psicólogos que trabalham nelas , deixando claro que muitos iniciaram na drogadicção através de turmas nas quais gostariam de ser aceitos e se tornaram drogadictos depois de algum tempo .

A adicção não depende do caráter e da informação das pessoas , após o primeiro contato e a necessidade que cria no emocional da pessoa esse vínculo de prazer , todo o lado “certinho” cai por água abaixo, passa simplesmente a ser um dependente químico, trocando de valores e desprezando o antigo em suas vidas.

Vício em drogas é traiçoeiro porque afeta o cérebro  nas áreas que as pessoas precisam para “pensar direito” (centros de razão ), usar bom julgamento e fazer boas decisões para suas vidas. Ninguém quer crescer para virar um viciado em drogas, afinal de contas. O fato ocorre após se dar uma chance delas entrarem em suas vidas , e sair da companhia delas é um trabalho intenso o que é feito em clínicas de recuperação em SP e em outras instituições terapêuticas .

 

O adicto

Passa a procurar a droga não apenas para prazer, mas para aliviar o sofrimento , livrá-lo de uma dor escondida, ligada ao cérebro  e às suas emoções mais profundas .

A rotina é trocada pelo impulso de compra e uso das drogas , o  é tudo que importa a ele naquele momento, apesar das conseqüências devastadoras.

Finalmente, o controle, as escolhas e tudo o que antes tinha valor na vida da pessoa, como família, emprego, comunidade, estudos , pode estar perdido para a doença da dependência química. Muitos internos de clínica de reabilitação em São Paulo fornecem essas mesmas informações quando em conversa com terapeutas e psicólogos que trabalham nelas , deixando claro que muitos iniciaram na drogadicção através de turmas nas quais gostariam de ser aceitos e se tornaram drogadictos depois de algum tempo .

 

Várias pessoas

Têm um primeiro contato e ficam por aí, enquanto outras ficam dependentes logo em seguida, como entender como isso acontece. Vários fatores interferem para que uma pessoa se torne drogadicta , entre elas podemos citar a genética . A predisposição de filhos de alcoólatras se tornarem dependentes da bebida é muito maior do que as que têm uma família de abstêmios .

O mesmo pode ser adaptado às demais drogas , havendo maio resistência ou facilitação às que pertencem à famílias já com histórico da doença. Muitas pessoas dependentes químicas sofrem de algum outro tipo transtorno mental , entre elas a depressão , ansiedade , stress e outros desvios de normalidade mental. ´e , por fazerem parte do estado emocional são facilitadores da dependência química crônica. Outro fator de relevância é a idade em que a pessoa entra em contato cm a droga , ou seja, quanto mais cedo ela se depara com as drogas , maior a chance de se tornar drogadicta .

Essa tese é comprovada quando dos estudos do alcoolismo e da utilização do crack , isso devido à sua formação de personalidade em desenvolvimento. Impressionante o número de pessoas cada dia mais jovens se envolvendo no alcoolismo e na drogadicção.

Muitos iniciam as atividades aos 8 , 9 anos de idade pelo álcool , e os de 10 a 12 no uso do crack ,principalmente em comunidades pobres onde começam como “aviões” ou “vapores” do tráfico se tornando , pelo contato com os usuários viciados na droga também , para isso foram criadas clínicas de reabilitação em São Paulo para dar atendimento a estes menores que precisam tratamento diferenciado quanto aos demais .Como fator de extrema importância temos o ambiente social , quando  pessoas que vivem, trabalham ou estudam em escolas em um local onde o uso de álcool ou outras drogas é comum, são mais propensas a se tornarem dependentes das drogas.

Por exemplo, se alguém anda junto com pessoas que usam drogas freqüentemente, suas chances de tornar um adicto aumentam. Finalmente temos outro fator decisivo , que são os traumas de infância: Cientistas provaram que crianças abusadas ou rejeitadas, conflitos de família persistentes ou outras experiências traumáticas de infância podem moldar a química do cérebro da criança e conseqüentemente deixar a pessoa vulnerável à adicção. Em um estudo do crack entre mulheres , grande parte delas haviam passado por estas situações, principalmente por abuso e abandono , comprovando a tese de qe na infância apode se ter predisposição ao uso e dependência química por tais pessoas .

 

Outro fator de relevância é a idade em que a pessoa entra em contato cm a droga , ou seja, quanto mais cedo ela se depara com as drogas , maior a chance de se tornar drogadicta . Essa tese é comprovada quando dos estudos do alcoolismo e da utilização do crack , isso devido à sua formação de personalidade em desenvolvimento. Impressionante o número de pessoas cada dia mais jovens se envolvendo no alcoolismo e na drogadicção. Muitos iniciam as atividades aos 8 , 9 anos de idade pelo álcool , e os de 10 a 12 no uso do crack ,principalmente em comunidades pobres onde começam como “aviões” ou “vapores” do tráfico se tornando , pelo contato com os usuários viciados na droga também , para isso foram criadas clínicas de reabilitação em São Paulo para dar atendimento a estes menores que precisam tratamento diferenciado quanto aos demais .

 

Pessoas em recuperação da drogadicção

Podem sofrer uma falta de controle e voltar a usar a substância durante o processo de recuperação, chamada “recaída”. Esta atitude é comum entre as pessoas com distúrbios crônicos. A recaída é uma das coisas mais significativas  da adicção. Diversas pessoas que querem parar de usar substâncias viciantes sofrem demais , isso devido à síndrome da abstinência tardia , quando depois de limpas por um tempo retornam ao uso da droga, e as recaídas podem ser bem desanimadoras tanto para o paciente (usuário ) quanto para a família . Algumas pessoas dizem que é horrível, que se sentem culpadas quando têm uma recaída, e ficam deprimidas porque interromperam um tempo de limpos e voltaram pela necessidade física e emocional no uso .

As recaídas podem acontecer devido a algum dos seguintes fatores:Algum lembrete relacionado à droga, como imagens, sons, cheiros, pensamentos ou sonhos que lembrem a droga ou seu uso , as associações fazem parte da sintomatologia mental no uso das substâncias ilícitas ou do álcool . Também são importantes o stress, a depressão , ou estados de euforia intensa associados ao que ocorria no uso , um tipo dessa sensação se percebe em estados emocionais positivos ou comemorações, quando as demais pessoas seu utilizam das drogas e do álcool , favorecendo o dependente a se reencontrar com a droga que utilizava antes da reabilitação . Uso recreativo em pequenas doses, quando o dependente se acha no controle, e tem certeza que vai ser insuficiente para recair , esse é um evento muito normal , um copo , ou um pouco e volta todo o processo , demonstrando mais uma vez que se trata de doença crônica e incurável , e que é necessário um tratamento intenso e contínuo para que  o dependente possa permanecer limpo , principalmente após passar um tempo em uma clinica de recuperação em São Paulo , como caso de alguns de nossos pesquisados .

Estes e outros fatores podem disparar a motivação para procurar a droga, e este sentimento pode ser muito forte e sobrepor a decisão de parar, mesmo que o usuário saiba das conseqüências desastrosas às quais já conhece por ter se submetido antes e sabe que vai acontecer o mesmo se recair .

Se manter limpo é difícil e trabalhoso

Pois após uma recaída existe um tempo de desintoxicação e do tratamento da síndrome da abstinência , o que o usuário sabe se tratar de processo de intenso sofrimento e de dor , tanto física quanto emocional . É como  quando estamos dirigindo com pressa e vemos um sinal vermelho e paramos por sabermos dos riscos que passar o sinal pode trazer . Nós conseguimos avaliar as vantagens ou prejuízos se paramos ou seguimos, e tomamos a decisão certa. Mas para uma pessoa viciada, esta relação entre parar ou seguir está alterada. A adicção altera o julgamento que a pessoas têm das situações relacionadas à droga , mudam os valores .

O sinal delas está vermelho , mas ultrapassar parece normal , essa é a perda do controle , considerada fraqueza por muitos , mas é parte integrante da doença . Por exemplo,  quando o adicto recebe um estímulo para usar droga, ele não consegue avaliar direito as consequências do uso, mesmo que saiba muito bem o que acontece, como problemas financeiros, de família ou de saúde.

Mas o estímulo para usar a droga pode acabar sendo mais forte e fazendo a pessoa a voltar ao uso . Para evitar a recaída é preciso aprender a superar estes estímulos. Para isso , além de clínicas de reabilitação em São Paulo , o tratamento da dependência química deve ser feito fora das clínicas , em associações como o NA ou AA , Amor Exigente e e outras , além de muitos conseguirem bons resultados pela vida religiosa. Cada um se dá bem onde achar melhor , mas a continuidade do trabalho é absolutamente necessária , por se tratar de grupos de iguais , ou seja , os que passaram e passam pelos mesmos problemas.

 

Se manter limpo é difícil e trabalhoso , pois após uma recaída existe um tempo de desintoxicação e do tratamento da síndrome da abstinência , o que o usuário sabe se tratar de processo de intenso sofrimento e de dor , tanto física quanto emocional . É como  quando estamos dirigindo com pressa e vemos um sinal vermelho e paramos por sabermos dos riscos que passar o sinal pode trazer . Nós conseguimos avaliar as vantagens ou prejuízos se paramos ou seguimos, e tomamos a decisão certa. Mas para uma pessoa viciada, esta relação entre parar ou seguir está alterada.

 

ENTENDENDO A DOENÇA DA ADICÇÃO

 

A “doença da adicção” é aquela em que as pessoas acometidas, homens ou mulheres, para quem não somente as drogas, mas qualquer outro produto ou atividade a qual a pessoa se relacione, acaba por tornaram-se um problema maior. Normalmente se tratam de pessoas com algum tipo de compulsão e coloca as mesmas como prioridades de suas vidas .Para os que são compulsivospor drogas , tanto lícitas quanto as não lícitas ou ilícitas são denominadas DROGADICTAS . O termo “adicto” vem do latim, que significa: (afeiçoado, inclinado, dependente, ou seja, pessoa que tem um vício qualquer ). O adicto, quando toma consciência de seu problema, descobre que é portador de uma doença chamada “adicção”.

Segundo o Dr. Aviel Goodman, do Instituto de Psiquiatria de Minnesota, “os transtornos de adição situam-se na intersecção de transtornos obsessivos e compulsivos. A doença da adicção afeta negativamente o indivíduo em três áreas da sua vida: a física, a emocional e a espiritual ” . Na área física, manifesta-se pela compulsão, que é a necessidade do corpo de querer sempre mais e mais daquele produto ou atividade (a(s) droga(s) no caso do adicto às drogas).

O  mesmo pode ocorrer quando pessoas são viciadas em comida , refrigerantes, TV , filmes ou computadores e celulares , todas atividades normais , mas quando utilizadas de maneira compulsiva e frequente se tratam d adicções também , muito embora poucos se deem conta e se tratem por isso.

No jogo , por ser uma transgressão social e financeira já se dá uma maior atenção e procura por tratamento . Podemos colocar o sexo nesta mesma lista , quando se manifesta necessidade obsessiva passa a ser visto como doença , ou patologia .

Na área mental, manifesta-se pela obsessão, que é cotidianamente ir dormir e acordar pensando em formas, em meios e em maneiras de conseguir obter aquele produto ou de realizar aquela atividade ou seja , existe uma necessidade incessante em se buscar o prazer naquilo que se utiliza por 24 horas por dia, isso inclui o sono que pode sofrer interferência e gerar transtornos sérios ao organismo . Quantas pessoas viviadas em tabaco você conhece que seja capaz de sair de madrugada de casa e encarar um longo caminho para comprar um maço de cigarros ?

Na área espiritual, manifesta-se por um total egocentrismo, o adicto começa a se isolar, a achar que o mundo está todo contra ele, que tudo está errado e somente ele tem razão. Começa a auto enganar-se dizendo para si mesmo: “Eu consigo parar a hora que eu quero”, “não preciso de ajuda” , ou traduzindo se colocam no lugar de Deus e essa prepotência acaba por fazer com que o controle seja perdido sem que se perceba o ocorrido .

 

Normalmente se tratam de pessoas com algum tipo de compulsão e coloca as mesmas como prioridades de suas vidas .Para os que são compulsivos por drogas , tanto lícitas quanto as não lícitas ou ilícitas são denominadas DROGADICTAS . O termo “adicto” vem do latim, que significa: (afeiçoado, inclinado, dependente, ou seja, pessoa que tem um vício qualquer ). O adicto, quando toma consciência de seu problema, descobre que é portador de uma doença chamada “adicção”. Segundo o Dr. Aviel Goodman, do Instituto de Psiquiatria de Minnesota, “os transtornos de adição situam-se na intersecção de transtornos obsessivos e compulsivos. A doença da adicção afeta negativamente o indivíduo em três áreas da sua vida: a física, a emocional e a espiritual “ .

 

Como citado anteriormente , é indispensável ao drogadicto que dê continuidade ao seu tratamento depois de se cuidar em uma clínica de reabitação em SP para reforço do tratamento , bem como evitar  as recaídas, principalmente em síndrome da abstinência tardia (ela pode acontecer horas , dias , meses e até anos , dependendo da droga e da pré disposição do paciente na vontade de sua reutilização e da necessidade de seus efeitos no organismo .

Narcóticos Anônimos (N.A.) e Alcoólicos Anônimos (A.A.) são irmandades que foram criadas especificamente para dar suporte a pessoas que têm comportamentos compulsivos que o levam a consumir substâncias psicotrópicas, tais como álcool e drogas .

A doença da adicção é incurável e se for mantida ativa apresenta características agravantes de ser progressiva e fatal. Mas felizmente existe tratamento sim e a adicção pode ser estacionada através de uma terapia permanente de reuniões de grupo de ajuda mútua, de experiências compartilhadas e de engajamento no serviço de ajuda ao próximo.  Normalmente após passar por uma clínica de reabilitação em São Paulo seja a melhor alternativa de apoio para o dependente químico .

Por isso os frequentadores destas instituições se dizem sempre “em recuperação” , pois as recaídas são parte da doença . O termo “só por hoje” se refere à uma luta diária e permanente contra as drogas , e qualquer deslize pode levar todo o tratamento de uma clínica de recuperação em SP pode ter ido por água abaixo e ter que ser iniciado novamente , desde a desintoxicação até o controle nas síndromes de abstinência que voltam mais efetivamente depois da recaída .

Além das adicções já referidas anteriormente

Alcoolismo e dependência de drogas, existem ainda outras formas de adicção que podem ser encontradas no nosso dia a dia. Apenas a droga escolhida, ou seja, o objeto da compulsão obsessão é outra, como por exemplo: o chocolate, os exercícios físicos, as compras, o jogo, o sexo, entre outras.

A questão se o sexo pode ser considerado como uma patologia, o Dr. Rui Correia, psiquiatra da Força Aérea, diretor clínico um centro de tratamento de dependências e um dos fundadores da Associação Portuguesa de Medicina da Adicção, refere que “a sociedade acha graça ao comportamento de um adicto ao sexo, não o considera doente. Isso é um estímulo para a pessoa manter o padrão, o que pode ter conseqüências terríveis.” Uma adicção particular dos portugueses, segundo o Dr. Rui Correia, é a do café. Há muitos portugueses adictos ao café. “Os adictos bebem muitas xícaras e não funcionam adequadamente sem consumir café.

Ficam com dificuldades de concentração, dores de cabeça…” Quem bebe sete cafés em um dia pode não ser um adicto; o que caracteriza a adicção é a compulsividade de consumir. Para o adicto, consumir uma única xícara normalmente acaba por ativar a adicção.Outa adicção é no que se refere a comer. Percebemos muitas pessoas que comem de maneira compulsiva , diferente das que comem de maneira normal , muitas delas tendem à obesidade e doenças decorrentes dela , como a diabetes e alteração de taxas hormonais e do colesterol e gorduras no sangue . Além da fome a doença está presente  e parecem comer como se o mundo fosse acabar.

Diante de u m sintoma como esse é preciso de ajuda médica e clínicas de reablitação em São Paulo que podem agir com mais terepeuticas na juda a amenizar os prejuízos da doença. É preciso notar também que para ser considerada doença da adicção, o objeto da compulsão obsessão deve se tornar um problema maior, ou seja, deve ser prejudicial à saúde física, emocional e espiritual da pessoa. Em N.A. usamos o termo “adicção” evitando usar o termo “vício”, pois o termo vício tem conotação de um ato negativo e a doença é uma capacidade involuntária.

Ninguém é doente porque deseja ser, e a adicção é uma doença. Tal como o diabético, que não tem a diabetes porque quer, o adicto também não tem adicções porque quer. O programa de N.A. é acima de tudo, um programa de amor. Finalmente, por suas características, a adicção é uma doença bio psico social.

Muito além da desintoxicação (que muitas vezes é necessária, por um período de internação voluntária), é preciso que o doente venha a vivenciar o programa de N.A., frequentando as salas de reunião dessa irmandade, aprendendo a mudar de atitudes e de comportamentos e que faça ainda uma vigilância de si próprio e uma manutenção permanente, caso contrário, a recaída é certa.

Informações obtidas em artigos e depoimentos de internos em clínicas de reabilitação em SP

Dependência Química – Como Tratar Dependentes de Álcool e Drogas?

 

Como citado anteriormente , é indispensável ao drogadicto que dê continuidade ao seu tratamento depois de se cuidar em uma clínica de reabitação em SP para reforço do tratamento , bem como evitar  as recaídas, principalmente em síndrome da abstinência tardia (ela pode acontecer horas , dias , meses e até anos , dependendo da droga e da pré disposição do paciente na vontade de sua reutilização e da necessidade de seus efeitos no organismo .

Narcóticos Anônimos (N.A.) e Alcoólicos Anônimos (A.A.) são irmandades que foram criadas especificamente para dar suporte a pessoas que têm comportamentos compulsivos que o levam a consumir substâncias psicotrópicas, tais como álcool e drogas . A doença da adicção é incurável e se for mantida ativa apresenta características agravantes de ser progressiva e fatal. Mas felizmente existe tratamento sim e a adicção pode ser estacionada através de uma terapia permanente de reuniões de grupo de ajuda mútua, de experiências compartilhadas e de engajamento no serviço de ajuda ao próximo.  Normalmente após passar por uma clínica de reabilitação em São Paulo seja a melhor alternativa de apoio para o dependente quìmico